sexta-feira, agosto 10, 2007

Da desgostosa sensação de nadar, nadar e morrer...

...na praia

Não sei vocês, mas eu sou apaixonada pelo curso que estou fazendo (que é Administração de Empresas). Demorei um bom tempo para conseguir finalmente entrar nele, e quando consegui deu um trabalho danado para me matricular (essa é uma história para outro post). Ora bem, uma vez matriculada, agradeci muito a Deus por ter me ajudado a entrar e aos amigos que me deram força para não desistir.
Esse arrodeio foi para fazer um desabafo, que inicirá agora:
Esse semestre passado cursei a disciplina "Economia I". Eu, normalmente, tenho facilidade para aprender o conteúdo dado em sala de aula, e dessa vez não foi diferente. Na primeira prova tirei a nota média. Não foi lá essas coisas, mas fiquei satisfeita.
Na segunda prova estudei para tirar um nota melhor. Para mim fiz um boa prova. E... Tirei 3,5! :O 3,5?! Meu Deus! E eu crente abafando que estava entendendo tudo! Tirei essa nota horrível. A sala quase todo tirou uma nota semelhante e a sala quase toda ficou mendigando décimos a mais com a professora. Foi então que a professora disse: "Ao invés de vocês ficarem mendigando décimos, deveriam estudar para recuperar na próxima nota." Devo salientar que não mendiguei décimo nenhum, e antes dela dizer isso eu já tinha tomado essa resolução.
E o que fiz? ES-TU-DEI! Estudei com "gosto de gás"! Fiz questão de memorizar todas aquelas fórmulas que eu nunca vou usar (isso é assunto para um outro post).
Querendo ajudar os alunos a professora fez um seminário. Sabe daqueles que todo mundo corre? Pois, mas eu adoro seminários. O assunto abordado pelo grupo que participei era a "Defesa da Concorrência", assunto esse que muito me interessa. Estudei, fiz uma boa apresentação e fomentei um caloroso debate (coisa que nenhum - NE-NHUM! - outro grupo conseguiu). Depois da apresentação recebi os parabéns da professora. Fiquei feliz. Ela disse que o seminário valeria até 3,0 pontos. E os critérios de avaliação seriam a apresentação e a participação nos seminários dos outros colegas. Beleza.
No dia da terceira avaliação escrita me senti bem, para mim fiz uma boa prova, mas como tinha tido a mesma sensação na segunda prova, não fiquei satisfeita apenas com uma "sensação de boa prova".
Como os alunos não queriam ter que ir à UESPI somente para receber as provas, decidimos que a professora enviaria as notas por e-mail. Ok. Mundo moderno, praticidade, blá blá... Aguardei ansiosamente a nota da terceira avaliação...
E eis as notas:
Seminário: 2,8
Prova: 5,0
Nota: 7,8
Resultado final: Reprovada!
Hã?! Reprovada?! Eu?! Mas... Mas... Eu estudei tanto! (Chorinho...) Mas... Mas... Eu me esforcei tanto! Peraí! O "X" passou? Ele tirou 3,0 no seminário? Mas não precisava ter assitido todas as apresentação dos grupos para tirar 3 pontos? Ele nem estava na minha apresentação! (Raiva... Decepção!) O "Y" passou também? E o "Z"? (Choro de tristeza e raiva! Grrr...)
Não tenho costume de ser reprovada, e ainda ser reprovada depois de ter me esforçado tanto, vendo que pessoas que não estudaram tanto quanto eu, pessoas que colaram em todas as provas, pessoas que não participaram dos seminários sendo aprovadas e eu não... Tisc... Ô sensação ruim! Fiquei indignada. E sabem porquê? Porque eu precisava de apenas 0,3 na média. Isso mesmo, precisava de apenas 3 décimos para ser aprovada...
Até hoje essa reprovação ficou entalada na minha garganta. Não por não a ter merecido, pois acho que se reprovei foi porque mereci. Mas o entalo na garganta fica por conta de todas as outras pessoas que foram aprovadas por ela ter ajudado. Por ela ter doado uns décimos necessários aos outros e não a mim!
E eu que achava que era uma boa aluna... Será que me enganei e na verdade não sou boa aluna? Será que as participações que eu faço na sala de aula ao invés de ajudarem o professor e os alunos fazem é atrapalhar? Sinceramente, eu tentei... Tentei e não me arrependo de ter tentado. Só que me dou licença para ficar triste. Ninguém gosta de ser reprovado, mas quando o esforço foi muito a dor é maior.
Foi aí fiquei com a sensação do título: "Nadei, nadei e morri na praia"...

4 comentários:

Aline disse...

Rebeca, estou indignada por você. Que sacanagem!!! Eu, no seu lugar, teria morrido de raiva. Ainda bem que você é mais sensata que eu... Imagino o quanto deve ter ficado triste. Será que não houve erro na contagem da professora? Vc reivindicou recontagem? Bom, estudei economia no ensino médio, quando fiz "técnico em contabilidade". Lembra que no Monsenhor tinha esse curso? Infelizmente, sou um tipo de pessoa que lida muito mal com reprovações. Nunca reprovei nem fiquei de recuperação na escola; nunca reprovei na graduação; até agora, não reprovei em nenhuma disciplina da pós... Porém, no dia em que eu reprovei na primeira prova prática do Detran, tive uma crise de choro que durou tempos... Ôôô raiva!!! Quando fiz a prova de seleção para entrar na pós, entrei na neura de "me preparar para o pior", mas, graças a Deus, deu tudo certo. Outra coisa: meu irmão mais velho é formado em "Administração" também. E ele adora! beijão, Aline

Rebeca Duarte disse...

Pois é Aline! Fiquei muito triste mesmo. Senti raiva no momento, mas já passou... Graças a Deus.
Esse semestre cursarei Economia II, provavelmente com a mesma professora, e sabe o que me dará raiva novamente? É ver que mesmo tendo aprendido o conteúdo reprovei, e terão pessoas lá na sala que fora "devidamente" aprovadas e não se lembrarão nem do conceito de concorrêcia perfeita... Tisc...
Eu não pedi recontagem, mas enviei um e-mail para a professora (já que ela tinha enviado a nota por e-mail) expressando toda a minha decepção e tristeza por ter tentado com tanto afinco e ter sido reprovada.
Já nas provas do DETRAN eu passei em todas. Pra você ver como são as coisas... :) Já vai fazer três anos que dirijo pelas ruas de Teresina. rs E você refez o teste do DETRAN?
Ah, e que bom é saber que tenho um "colega" satisfeito com a formação dele. Isso é algo que me deixa realmente feliz!
Beijos! E orbigada pela indignação! :D

Eu disse...

Sim, sim, dirijo há mais de três anos. Nem me lembro mais da raiva que passei... Passar na prova prática do Detran nunca significará saber dirigir. Nunca! No dia da prova prática, o aluno precisa estar seguro. O que conta mesmo é o seu estado emocional. Até porque, como disse o meu instrutor, eu não precisava ficar nervosa. O que era pra eu saber, já sabia. Enfim... Passou! Hoje, dirijo pra tudo quanto é canto. Sobre o e-mail, a professora respondeu? bjs, Aline

Rebeca Duarte disse...

Com certeza que nesse e em qualquer outro teste é o estado emocional é tudo. Lembro-me que uma menina disse que quatro minutos para fazer uma baliza é muito tempo, e eu achava pouquissímo... Parei para pensar e vi que o tempo é apenas "uma forma de reconhecer". Se eu estiver calma o tempo não será impecilho. Fui lá, fiz a baliza em bem menos de quatro minutos. :)
Sobre o e-mail, a professora não respondeu. Uma amiga minha (aquela do post em que uma garota disse que meu marido é besta por deixar o carro comigo) foi fazer prova de segunda chamada com essa professora. Aí a professora disse que "nem tinha percebido até receber meu e-mail" e perguntou se eu tinha ficado triste. A minha amiga respondeu: "Lógico que sim".
Putz! Reprovar um aluno e "nem perceber" é o Ó!
Estou pedindo a Deus para me dar docilidade caso ela seja minha professora esse semestre... Haja paciência!
Beijos!